Guia de Introdução alimentar: o que é, como fazer e duvidas frequentes

Dra Camila Garcia

Dra Camila Garcia

Quando somos mães,  especialmente mães de primeira viagem, é normal ouvirmos muitos conselhos sobre como cuidar dos nosso filhos nos mais diversos aspectos como introdução alimentar, sono, roupinhas, banho etc.

Com tudo isso, às vezes fica difícil saber o que realmente devemos levar em conta ou não. Com certeza a introdução alimentar é uma das grandes dúvidas que temos, afinal é a saúde do nosso filho que está em jogo.

Então pode ir preparando o caderninho para o que eu vou te falar hoje, pois você vai finalmente entender tudo sobre introdução alimentar, quais são seus objetivos, como começar, quais alimentos oferecer, quais métodos seguir, como preparar os alimentos, entre muitas outras informações importantes.

Vem comigo aprender!

Qual é o objetivo da introdução alimentar dos 6 aos 12 meses?

introdução alimentar com frutas

Esse período é um momento que deixa muitas mães confusas, sem saber o que fazer, quando começar, quais alimentos oferecer, de que maneira fazer isso, qual a quantidade oferecer e por aí vai.

Além de tudo, ficamos com aquela pulga atrás da orelha nos questionando se nosso filho realmente comeu o suficiente ou se ainda está com fome. Sem falar no medo de engasgo, não é mesmo?

Mas não deveria ser assim, porque até 1 ano de idade a relação do bebê com a comidinha é de aprendizado. A principal fonte de nutrientes continua sendo o leite – materno ou fórmula infantil.

O mais importante na introdução alimentar é ensinar o bebê a comer e mostrar a ele a maior diversidade de alimentos, para que ele possa experimentar diferentes sabores, texturas, aromas e observar as suas cores.

A introdução alimentar deve ser uma fase de diversão com a comidinha, pois é tudo novidade para ele, até então o único alimento que ele conhecia era o leite.

Ou seja, o paladar do bebê é uma página em branco e somos nós, mães, que vamos escrevê-la. Fazendo da maneira correta, seu filho desenvolverá hábitos alimentares saudáveis que levará para o resto da vida!

Quando começar a introdução alimentar do bebê?

bebê comendo na introdução alimentar

Existem dois fatores que você deve observar para saber se é o momento certo de começar a oferecer alimentos sólidos: a idade do seu bebê e se ele apresenta os sinais de prontidão.

A idade recomendada hoje pela Sociedade Brasileira de Pediatria é 6 meses.

Isso não quer dizer que você precise começar exatamente no “mesversário” de 6 meses do seu filho, pode ser um pouquinho antes ou um pouquinho depois.

Não tente começar muito antes, quando seu bebê ainda tem de 4 a 5 meses, pois ele ainda não está preparado para receber novos alimentos.

O resultado pode ser uma experiência frustrante tanto para você, mãe, como para o seu filho.

Como eu disse, até 1 ano de idade a principal fonte de nutrientes continua sendo o leite.

Não precisa se preocupar sobre o seu bebê estar passando fome, não tem porque ter pressa.

Além da idade, é importante observar se o seu filho apresenta os sinais de prontidão para começar a comer alimentos sólidos. São alguns desses sinais:

  • Seu bebê consegue manter a cabeça erguida, sem apoio? O controle da cabecinha é importante para a alimentação e deglutição, evitando que ele engasgue.
  • Seu filho consegue ficar ereto? Ou seja, ele consegue se sentar sozinho, com o apoio da sua mão ou encostado em uma cadeira de alimentação? O bebê deve estar sempre sentado em posição vertical para comer, para garantir que possa engolir os alimentos corretamente.
  • Ele consegue levar comida à boca? Nessa fase você já terá notado uma vontade incontrolável do seu bebê de levar tudo que pega à boca. É uma parte natural do aprendizado e do desenvolvimento sensorial.
  • Seu bebê consegue comunicar que está satisfeito? Bebês têm uma capacidade mágica para nos dizer “não quero mais, por favor!”, mesmo quando estão mamando no peito ou na mamadeira. Todas nós, mães, já vivenciamos a cabecinha balançando ou indo para trás quando eles estão satisfeitos. Este é um bom sinal de que o bebê conhece seu próprio apetite e que está no comando quando é alimentado. É importante respeitar a vontade do seu filho e não forçar: ele está te dizendo que não está mais com fome, mesmo que você ache que ele não mamou ou comeu o suficiente.

Aqui em casa eu comecei a introdução alimentar da Júlia uma semana antes de ela completar 6 meses. E aí na sua casa, como foi?

Ao verificar que o seu bebê apresenta os sinais de prontidão seguindo as orientações acima, pode ficar confiante para começar uma jornada de sucesso!

Quais alimentos oferecer primeiro?

o que um bebe pode comer

Acredito que esse tópico é aquele que conta com os maiores pitacos que vêm de todos os lados, principalmente das avós: “Ah, mas com você eu fiz assim e deu certo e você está aí, firme e forte”.

Bem ou mal, todo mundo vai passar pela introdução alimentar. A importância de fazer da maneira correta é que nessa fase desenvolvemos hábitos, comportamentos e atitudes saudáveis em relação à alimentação em nossos filhos que eles levarão ao longo da vida.

Não queira oferecer tudo de uma vez, é muita informação para o seu bebê.

Comece pelas frutinhas uma vez ao dia, sempre variando as frutas para ele ir conhecendo os diferentes sabores e texturas.

Se ele não aceitou alguma fruta, não quer dizer que ele não gostou. Lembre-se de que é tudo novidade. Respeite a vontade do seu filho, nunca o force a comer!

No dia seguinte, ofereça uma fruta diferente e em outro dia volte a oferecer a fruta que ele recusou.  Uma hora você vai ver que ele irá aceitar.

Depois das frutas, acrescente o almoço. No pratinho deve ter os 5 grupos de alimentos: carboidratos, proteínas, leguminosas, legumes e verduras. É bom ter um cardápio pronto.

Lembre-se sempre de que o estômago do seu bebê é super pequenininho, cabe pouca coisa mesmo.

Respeite os sinais de saciedade do seu filho, se ele não quer mais é porque já comeu o suficiente. O importante é sempre oferecer.

Na sequência introduza a janta, que deve ter a mesma composição do almoço, com os 5 grupos de alimentos e também mais uma fruta entre o almoço e a janta.

Vá aos pouquinhos até chegar à alimentação completa que deve ser:

  1. Frutinha
  2. Almoço
  3. Frutinha
  4. Janta

Mas não se esqueça de que essa é uma fase de aprendizado para o seu filho e deve ser algo divertido para você e para ele.

O mais importante é ele ir conhecendo os diferentes tipos de alimentos e se acostumando com a rotina alimentar.

Reforço o que já te disse: o leite materno continua sendo a principal fonte de nutrientes até 1 ano.

Como oferecer os primeiros alimentos ao seu bebê?

bebê comendo comida

É muito comum as mães quererem oferecer alimentos nutritivos para os filhos, afinal o que a gente mais quer é ver nossos pequenos crescendo fortes e saudáveis, não é mesmo?

É nesse ponto que cometemos um dos maiores erros da introdução alimentar, que são as famosas papinhas liquidificadas.

EEssas papinhas só atrapalham a alimentação dos nossos filhos!

Lembra que eu falei que essa é uma fase de aprendizado? Que o paladar do bebê é uma página em branco e é você quem vai escrever?

Pois é exatamente isso que você deve fazer, oferecer os alimentos individualmente para que seu filho conheça os diferentes sabores, cores, aromas e texturas; para que desenvolva hábitos alimentares saudáveis que ele levará para o resto da vida.

Quando oferecemos tudo batido e misturado, por mais que sejam alimentos nutritivos, seu filho não consegue distinguir os diferentes sabores e texturas porque tem tudo a mesma consistência e o mesmo sabor. Seu filho não aprende a tomar decisões e não desenvolve o paladar. Com a papinha ele pode até comer de tudo, mas não vai aprender nada!

Ofereça os alimentos individualmente, podem ser inteiros, amassadinhos ou alternando entre os dois métodos. Mas nunca misture tudo!

Não tente enganar o seu filho e não se preocupe que os principais nutrientes ainda vêm do leite.

Aliás, eu escrevi um artigo completo sobre papinhas para bebês de 6 meses onde explico tudo sobre esse tema.

E se eu não fizer uma introdução alimentar adequada?

Bebê na introdução alimentar

O importante nessa fase da vida dos nossos filhos é termos uma visão a longo prazo, pensando nos benefícios para a saúde quando eles forem mais velhos.

A consequência mais imediata é ter uma criança seletiva, que aceita poucos alimentos e geralmente alimentos ricos em gorduras e, principalmente, açúcar.

Açúcar é uma caloria vazia que não traz benefício algum. O açúcar que tiramos dos alimentos saudáveis já é suficiente para nos dar a energia de que precisamos para o dia a dia.

Os sinais de seletividade se intensificam a partir dos 2 anos. Não que seja impossível mudar isso depois, mas vai ser muito mais difícil e penoso para você e para seu filho, exigindo um esforço e dedicação muito maiores.

Outra consequência mais imediata é a obesidade – não confunda fofura com gordura.

Criança gordinha geralmente é associada à fofura, criança forte e bem nutrida. Dependendo de onde vêm as calorias para toda essa fofura, a relação pode ser exatamente inversa.

Sem falar nas consequências “invisíveis” que costumam aparecer a longo prazo, como o desenvolvimento de doenças crônicas como hipertensão, diabetes, problemas com colesterol alto, etc.

Em resumo: fazer a introdução alimentar dos nossos filhos de maneira adequada é algo tão simples e tão benéfico para a saúde deles que não há motivo para você, mãe, não dar a devida importância para isso.

Quais são os métodos de introdução alimentar?

Existem basicamente três métodos de introdução alimentar saudável. Conheça um pouco sobre eles a seguir:

  • Método Tradicional: aqui, é você que dá o alimento na boca do seu filho. Dependendo do alimento, você pode amassar bem com um garfinho (batata, feijão, berinjela etc.) ou cortar bem pequenininho (carninha, espinafre etc.). Mas nunca batido no liquidificador nem peneirado.
  • Método BLW: este método é bem diferente do primeiro, pois aqui é o próprio bebê que pega a comida e leva à boca. Os alimentos devem ser oferecidos em pedaços para o bebê pegar e morder. Mas esse é um assunto bem longo, por isso escrevi um artigo falando especificamente do método BLW.
  • Método Participativo: neste caso, você deixa o bebê comer por conta própria (como no BLW), mas interfere quando for necessário, podendo encorajar e facilitar a refeição. Os alimentos podem ser em pedaços ou amassados, é basicamente a mistura dos dois métodos. Esse é o método que eu mais gosto e o que uso com minha filha, mas não tem certo ou errado, todos funcionam. Use o método que for mais confortável para você!

E os líquidos? Como oferecer? Qual é o melhor: água, suco, chá ou água de coco?

líquidos na introdução alimentar

Muita gente me pergunta se devemos começar a introdução alimentar oferecendo suco, afinal o bebê já está acostumado a ingerir líquido, então será mais fácil aceitar o suquinho, certo? Errado!

Esta era uma recomendação até poucos anos atrás, mas hoje sabemos que está totalmente errado!

Isso porque o objetivo principal da introdução alimentar é ensinar nosso bebê a comer, possibilitando que ele tenha contato com uma grande variedade de alimentos, conhecendo os diferentes sabores e texturas.

Portanto, ao oferecer o suco, seu bebê não conhecerá a textura da fruta, não aprenderá a mastigar e não terá contato com o alimento.

Esse movimento de mastigação é muito importante para o desenvolvimento dele e deve ser estimulado nessa fase.

Além disso, no suco, a fruta perde muitos nutrientes, principalmente as fibras, ficando uma concentração muito maior de frutose, que é o açúcar da fruta.

Embora a frutose seja um açúcar de melhor qualidade, a concentração no suco é muito alta.

Devemos oferecer a fruta em pedaços ou amassadinha, dependendo do método que você escolher.

A água sim deve ser oferecida sempre, desde o início da introdução alimentar.

Veja abaixo a recomendação para os líquidos que devem ser oferecidos ao bebê a partir dos 6 meses:

  • Água: livre demanda, ofereça sempre!
  • Suco: não deve ser oferecido antes de 1 ano. Prefira as frutas em pedaços ou amassadas. Se você não tem costume de tomar suco em casa, então não tem por que oferecer mesmo após 1 ano.
  • Chá: se não tiver cafeína, não tem problema – desde que sem adição de açúcar. Mas não tem por que oferecer chá. Prefira água que é muito melhor.
  • Água de coco: pode ser oferecida de vez em quando, sempre em pequena quantidade e nunca em substituição à água.

Quando a assunto é líquido na alimentação do bebê, prefira a água sempre! Não tem motivo para oferecer outro líquido senão a água.

Eu escrevi um artigo completinho explicando em detalhes tudo sobre como, quando e os motivos de oferecer líquidos para o seu bebê na introdução alimentar que você pode conferir aqui.

Quais alimentos estão proibidos até um ano?

Acredite, isso não é um mito. Existem sim alimentos que não devemos dar aos bebês com menos de 1 ano.

Isso porque o organismo deles ainda está em formação e alguns tipos de composição podem fazer realmente mal.

Confira quais alimentos você deve eliminar do cardápio do seu pequeno:

  • Leite de vaca e derivados: seu bebê ainda não consegue digerir as proteínas do leite de vaca. Seu consumo está associado à anemia por conter baixo teor de ferro e não ser bem absorvido pelo organismo do seu bebê. Todos os derivados do leite de vaca também estão na lista, como queijos, iogurtes, manteiga, etc.
  • Sal: não coloque nenhum tipo de sal na comida do seu bebê, nem mesmo uma pitadinha! Acredite, o sódio dos alimentos já é o suficiente para as necessidades dele. Use e abuse dos temperos naturais!
  • Suco: como já falei, evite o suco até quando puder, procure dar frutas cortadinhas ou amassadinhas no lugar. Dê preferência ao leite materno e à água sempre.
  • Açúcar: por que dar açúcar ao seu bebê? O açúcar é uma caloria vazia, sem nenhum nutriente importante. A necessidade de comer doce é puramente do adulto, seu bebê possui um paladar branco, está aprendendo a comer. Já foi comprovado que a criança nasce com preferência pelo sabor doce – a partir do momento que experimenta – portanto a adição de açúcar é desnecessária e deve ser evitada nos 2 primeiros anos de vida.
  • Mel: é possível que o mel transmita ao seu filho a bactéria responsável pelo botulismo, o que costuma acontecer em bebês que ainda não têm a flora intestinal totalmente formada. O mel não deve ser oferecido antes de 1 ano. Além disso o mel contém açúcar, então evite sempre.

Existem ainda alimentos que devem ser evitados até os 2 anos! Como o mel já citado, o açúcar, o café, os frutos do mar e as carnes cruas. As castanhas e oleaginosas já podem ser oferecidas a partir de 1 ano, mas atenção ao tamanho para não causar engasgo.

Como temperar a comidinha?

Comidas na introdução alimentar

Como você já deve imaginar, depois de ter lido tudo até agora, está proibido utilizar sal ou temperos industrializados!

Procure usar apenas temperos naturais para que o seu bebê conheça bem o verdadeiro sabor dos alimentos.

Manjericão, cebola, orégano, alecrim, alho e cebolinha são alguns dos exemplos de temperos naturais que dão um sabor muito bom às refeições e ainda são saudáveis.

Como conciliar a introdução alimentar com amamentação ou fórmula?

Como já falei antes, o leite materno ainda é a principal fonte de nutrientes mesmo depois dos 6 meses. Por isso, é importante saber como conciliar as duas coisas.

Não fique nervosa caso acabe se atrapalhando! Isso é super normal, eu mesma me atrapalhei no início.

É uma fase de transição, então a necessidade das mamadas vai diminuindo aos poucos, não adianta forçar, é preciso respeitar a vontade do bebê.

No começo, pense em substituir a hora de mamar por frutas ou outros alimentos sólidos.

Depois de uma semana ou mais é que você pode ficar mais tranquila para colocar uma refeição no lugar de uma mamada.

Dessa forma, seu filho já vai ter se acostumado melhor com a comidinha e aceitará com mais facilidade essa mudança.

Outro ponto importante é não dar fórmula perto do horário das refeições, pois as suas composições podem prejudicar a absorção correta de ambos os alimentos.

Dê um intervalo de 2 horas após a refeição para oferecer a fórmula infantil. Eu sei que 2 horas é muita coisa e pode ser inviável de vez em quando, então espere no mínimo 40 minutos, nuca antes disso.

Isso foi apenas uma palinha sobre essa questão da amamentação junto à introdução alimentar. Aqui você pode se aprofundar e entender melhor como conciliar a amamentação com a introdução alimentar.

E as alergias alimentares nos bebês?

Alergias na introdução alimentar

Alguns alimentos podem causar reações alérgicas no bebê, mas isso varia de criança para criança.

Não existe isso de “não ofereça ovo ao seu filho porque causa alergia”. Se você não tem histórico de alergia alimentar na família, não tem porque não oferecer.

Caso seu bebê apresente sintomas de alergia alimentar, procure lembrar exatamente tudo que foi dado para ele comer, pois uma reação diferente em decorrência da alimentação, na grande maioria das vezes, é causada pelo contato com um alimento nunca antes ingerido, ou preparado de forma diferente do habitual.

Como oferecer verduras ao bebê?

As verduras são muito saudáveis e saborosas para o bebê, por isso precisam estar no cardápio da introdução alimentar.

Eles precisam ter contato desde cedo para irem se acostumando com o sabor geralmente amargo das verduras.

Porém é muito difícil para um bebê comer uma folha crua.

Para ficar mais fácil de comer, procure cozinhar a vapor ou refogar com azeite e temperos naturais. Pique em pedacinhos ou amasse para eliminar pedaços muito grandes.

Posso congelar o alimento do meu bebê?

comida congelada na introdução alimentar

Vamos ser práticas, na correria do dia a dia é muito difícil preparar a comidinha do seu bebê todos os dias.

Ele come tão pouquinho, então é muito mais fácil preparar uma quantidade maior e congelar.

Se você consegue preparar todos os dias ótimo, mas não se sinta culpada por congelar porque não tem problema nenhum.

As proteínas (carninha e ovo) eu prefiro preparar na hora, mas o restante é muito mais prático congelar. Se quiser congelar as proteínas também não tem problema.

Para facilitar eu gosto de congelar em forminhas de gelo que já ficam no tamanho da porção de cada alimento.

Você pode congelar os alimentos por até 1 mês e manter na geladeira por 1 dia.

Para descongelar pode ser em banho maria ou no micro-ondas mesmo que é mais prático, não tem problema.

Quando descongelar, não congele mais.

Reflexo de Gag e engasgo: qual é a diferença?

Medo do bebê engasgar é uma das maiores preocupações que nós mães temos durante a introdução alimentar, seja com alimentos em pedaços ou amassadinhos.

Isso porque até o momento o bebê estava apenas se alimentando com o leite ou fórmula infantil e agora precisa se acostumar com alimentos sólidos.

No entanto, é importante ter em mente que existe uma grande diferença entre engasgo e o reflexo de Gag.

O reflexo de Gag é uma reação natural do bebê nos primeiros contatos com os alimentos. É um movimento bem parecido com a ânsia de vômito.

Quando o bebê sente o alimento na boca, ele faz um movimento anti engasgo, seu cérebro dispara o reflexo de Gag para fazer o alimento voltar da garganta para a boca.

Esse reflexo é fisiológico e serve justamente para proteger o bebê, prevenindo o engasgo. Aos poucos ele vai aprendendo a comer e administrar o alimento na boca, diminuindo o reflexo de Gag. Não tem motivo para você se preocupar.

Já o engasgo é completamente diferente do Gag e o bebê precisa de ajuda imediata. Se o bebê está engasgado, será incapaz de chorar, tossir, fazer qualquer outro ruído ou respirar.

Nesse caso, a recomendação é fazer a manobra de Heimlich conforme ilustração abaixo:

manobra de heimlich na introdução alimentar

Agora que você já sabe muita coisa sobre a introdução alimentar, qual a sua maior dúvida a respeito desse tema? Deixa aqui nos comentários que eu respondo pra você.

Perguntas Frequentes sobre Introdução Alimentar

Como fazer a introdução alimentar?

Não pense que no dia seguinte que ele demonstrar todos os sinais ou fazer 6 meses você deve oferecer todas as refeições ao bebê. Como é um período de aprendizado e adaptação, você deve começar aos poucos.

No meu método Nutri bebê eu recomendo começar com uma fruta no meio da manhã. Quando a criança se adaptar a fruta, você deve incluir o almoço. Cerca de 7 dias depois. O jantar deve entrar na rotina quando a criança estiver adaptada com o almoço. É tudo novo para ele e se colocar tudo de uma vez, a aceitação será mais difícil.

Dessa forma, estabeleça uma rotina, isso é fundamental para o sucesso da introdução alimentar do seu bebê. Além da fruta, no almoço e jantar o prato do bebê deve conter um alimento de cada grupo alimentar: carboidrato, proteína, legumes, verduras e leguminosas.

Ofereça amassado ou em pedaços, nunca batido ou misturado, e individualmente. O bebê deve conhecer a textura, a cor, o cheiro e o sabor de cada alimento. Além disso, papinhas não favorecem a mastigação, que é fundamental o bebê aprender nessa fase.

A introdução alimentar gera muitas dúvidas nas mães. Por isso, abaixo seguem as principais perguntas sobre introdução alimentar com as respostas.


Quais frutas oferecer na introdução alimentar?


Todas as frutas estão liberadas, inclusive as ácidas, como limão, abacaxi e acerola. Do mesmo modo, todos os tipos podem ser oferecidos, não precisa ser só laranja pera ou banana nanica, pode ser todos os tipos.

O que dar primeiro na introdução alimentar?

Recomendo começar pelas frutas.

Qual deve ser o primeiro alimento do bebê?

Frutas.

Como iniciar a alimentação do bebê de 6 meses?

Com uma fruta no meio da manhã.

Quais frutas pode dar para bebê de 5 meses?

Nenhuma, começar a introdução alimentar sem o bebê estar preparado pode se muito prejudicial. Ela deve começar quando o bebê tiver os sinais de prontidão, por volta dos 6 meses.

Quais as primeiras frutas que o bebê pode comer?

O bebê pode comer todas as frutas. Geralmente, banana, abacate, laranja, pera e mamão são as melhores para iniciar.

Como da carne para o bebê de 6 meses?

É importante saber que a carne deve estar presente no pratinho do bebê desde o início da introdução alimentar. Dê preferência para carnes macias. Você pode oferecer ela bem picadinha, moída ou em pedaços para a criança chupar. Peixes e frango podem ser oferecidos também desfiados.

Qual a melhor frutas ou papinhas?

Frutas. Papinhas geralmente são batidas, peneiradas e misturadas e isso não é recomendado. O bebê deve conhecer cada fruta assim como seu sabor e textura. Além disso, papinha não estimula a mastigação, que é fundamental nessa fase.

Qual Carne dar para o bebê?


Desde os 6 meses o bebê pode comer carne vermelha, de frango, de peixe e carne de porco. Elas devem ser sempre bem cozidas, nunca crua ou mal passadas. Escolha carnes mais macias, não precisa ser só músculo. 


Quando dar janta para o bebê?

A janta deve ser introduzida quando o bebê já está adaptado com o almoço, geralmente cerca de 30 dias após início da introdução alimentar. Ela deve ser oferecida 2h-1h30 antes do horário do bebê dormir. 

Compartilhar

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Deixe seu Comentário

Compartilhe e pergunte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quem leu este post leu também

Como fazer SEU BEBÊ GOSTAR DE TODOS OS ALIMENTOS

Todos os bebês que comem bem seguiram esse processo e você pode usá-lo a partir de HOJE