Bebê com refluxo, o que fazer?

Dra Camila Garcia

Dra Camila Garcia

Bebê com refluxo é uma complicação gastrointestinal que faz com que o alimento volte do estômago para o esôfago. Todos nós podemos passar por isso em algum momento.

Em algumas pessoas o refluxo passa despercebido, tendo em vista que não causa desconforto nem sintomas aparentes.

No entanto, o refluxo é considerado patológico quando causa desconforto ou está presente com grande frequência.

Nos bebês é muito comum a presença de refluxo. Isso porque seu tubo digestivo ainda está sendo desenvolvido e passará por notáveis transformações ao longo do primeiro ano de vida.

Desta forma, é comum que o bebê sinta desconforto na região abdominal após ser amamentado, podendo até mesmo regurgitar.

Confira a seguir algumas dicas e instruções para você lidar com possíveis episódios de refluxo com seu filho.

Saiba como começar a introdução alimentar do seu bebê.

1. Bebê com refluxo: quando o refluxo passa a ser patológico

Por ter relação com o desenvolvimento natural do estômago e do tubo digestivo, episódios de refluxo até o primeiro ano de vida não são indicativos de complicações maiores por si só.

No entanto, é importante usar a atenção materna para avaliar a resposta do seu bebê frente aos episódios de refluxo.

Se seu filho chora ou demonstra algum desconforto com frequência após a amamentação, é possível que o refluxo esteja em intensidade patológica.

Outro fator importante é o impacto do regurgito sobre a condição nutricional de seu filho. Se seu filho não está ganhando peso da forma esperada, talvez esteja comprometendo sua nutrição.

Por isso é importante levá-lo com regularidade ao pediatra e relatar os episódios de refluxo, caso ocorram.

2. Cuidados básicos para o manejo do refluxo infantil

Para evitar complicações em decorrência do refluxo, você pode inserir alguns cuidados básicos em seu dia-a-dia.

Colocá-lo na posição vertical durante a amamentação pode ajudar em muitos casos.

Isso porque com o corpo ereto o alimento precisaria atuar contra a gravidade para realizar o processo de refluxo, diminuindo assim a frequência dos episódios.

Outro aspecto importante é fracionar as mamadas. Mamando em pouca quantidade várias vezes ao dia melhora os episódios de refluxo.

Por fim, dormir de barriga para cima e com a cabeça um pouco mais elevada que o corpo pode ser importante. Assim como o que acontece quando seu filho é amamentado na vertical, ao dormir com a cabeça elevada torna-se mais difícil os episódios de refluxo.

3. O que fazer se seu filho tiver refluxo gastroesofágico patológico

Se seu filho apresentar sintomas da doença do refluxo gastroesofágico, procure um pediatra e relate o caso. Ele poderá avaliar a situação e informar se trata-se de um caso passível de tratamento medicamentoso ou, em último caso, cirúrgico.

Alguns sintomas da doença do refluxo gastroesofágico são:

  • Boca amarga;
  • Choro após amamentação ou alimentação;
  • Desconforto na região superior do abdômen;
  • Mau hálito;
  • Pressão no peito;
  • Regurgitação crônica;
  • Rouquidão.

Episódios de refluxo são comuns até o primeiro ano de vida e, por conta do desenvolvimento gastrointestinal, é mais comum que tais episódios sejam mais frequentes entre o terceiro e quarto mês de vida.

No entanto, fique atenta aos sinais e sintomas do seu filho após a amamentação. Caso ele apresente dificuldades para ganhar peso, vômitos após a amamentação com frequência e não esteja respondendo bem aos cuidados simples que você pode ter em casa, procure um especialista tão logo for possível.

Compartilhar

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Deixe seu Comentário

Compartilhe e pergunte

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quem leu este post leu também

Como fazer SEU BEBÊ GOSTAR DE TODOS OS ALIMENTOS

Todos os bebês que comem bem seguiram esse processo e você pode usá-lo a partir de HOJE